Tribunal Regional Federal da 1ª Região

início

Comunicação Social

Imprensa

Notícias

Responsável por furto de correspondência...

Ir para Menu Ir para Conteúdo Ir para Busca Ir para Mapa Ir para Acessibilidade

Notícias

Responsável por furto de correspondências dos Correios tem pena reduzida

04/12/12 17:55

Crédito: Mauro Putini - Ascom/TRF1Responsável por furto de correspondências dos Correios tem pena reduzidaDesembargador federal Cândido Ribeiro

A 3.ª Turma do TRF da 1.ª Região concedeu, em parte, o pedido feito por um morador de Minas Gerais acusado de furtar correspondências da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). O réu foi preso em flagrante após subtrair, em setembro de 2008, uma bicicleta funcional, um malote de correspondências e a carteira do entregador dos Correios, contendo documentos pessoais.

Em primeira instância, a Justiça Federal condenou o réu a um ano de reclusão e dois meses de detenção – além de multa –, pelos crimes de furto e de violação de correspondência, previstos no caput do artigo 155 do Código Penal e no artigo 40 da Lei 6.538/1978, que dispõe sobre os serviços postais. Insatisfeito, o acusado recorreu ao TRF.

O recurso buscava, em primeira análise, o reconhecimento da prescrição. A defesa argumentou que o crime enquadrava-se no parágrafo 2.º do artigo 155, que prevê a diminuição da pena, em até dois terços, quando o réu é primário e a “coisa” furtada tem pequeno valor. Nesta hipótese, a pena aplicada seria inferior a um ano e, consequentemente, estaria prescrita, com base no artigo 109 do Estatuto Repressivo.

Ao apreciar o recurso, contudo, o relator afastou a legalidade da prescrição. No voto, o desembargador federal Cândido Ribeiro (foto) afirmou ser impossível extinguir a punibilidade com base em prescrição dada por “pena hipotética”. Esse entendimento já foi consolidado pelo TRF, em outros julgamentos, e pelo Superior Tribunal de Justiça. “É inadmissível a extinção da punibilidade pela prescrição da pretensão punitiva com fundamento em pena hipotética, independentemente da existência ou sorte do processo penal”, dita uma súmula do STJ invocada pelo relator.

Insignificância - Outra tese da defesa rebatida pelo magistrado foi a concernente à aplicação do princípio da insignificância. Para Cândido Ribeiro, a ausência de duas condições objetivas impede que o princípio seja aplicado: o grau reduzido de reprovabilidade do comportamento criminoso e a inexpressividade da lesão jurídica provocada.

Na visão do relator, o comportamento do réu deve ser avaliado, não apenas pelo valor da bicicleta furtada, mas também pelo conseguente dano à credibilidade dos serviços postais. ”Com sua conduta o réu impediu que a ECT cumprisse sua missão constitucional de distribuir [...] as respectivas correspondências, afetando, substancialmente, a credibilidade de um serviço público essencial”, assinalou. “Tal atitude, além do simples patrimônio da ECT, lesou um bem jurídico que não é estimável monetariamente”, completou Cândido Ribeiro.

Apesar disso, o desembargador federal reconheceu que, por ser réu primário e os objetos furtados terem pequeno valor, o acusado tem direito à redução da pena, fixada em oito meses de reclusão e dois meses de detenção, inicialmente em regime aberto. Por fim, o relator aplicou o artigo 44 do Código Penal para substituir a pena privativa de liberdade por uma pena restritiva de direitos – a prestação de serviços à comunidade.

O voto foi seguido, unanimemente, pela 3.ª Turma do Tribunal.

RC/RT

Apelação Criminal 0000744-46.2009.4.01.3805/MG

 

Assessoria de Comunicação Social
Tribunal Regional Federal da 1.ª Região

Edifício Sede I: SAU/SUL Quadra 2, Bloco A, Praça dos Tribunais Superiores

CEP: 70070-900 Brasília/DF - Telefone: (61) 3314-5225

CNPJ: 03.658.507/0001-25